A IMPORTÂNCIA DA FAMILIA NA SOCIEDADE E NA IGREJA

30-08-2011 01:44

 

A família sofre com as amplas, profundas e rápidas transformações da sociedade e da cultura. Sabemos que muitas famílias permanecem fiéis aos valores fundamentais da instituição familiar. Outras estão meio perdidas frente a seus deveres, duvidosas e quase esquecidas do significado último e da verdade da vida conjugal e familiar. Outras, infelizmente, estão impedidas por variadas situações de injustiça de realizarem os seus direitos fundamentais.
 
Consciente de que o matrimônio e a família constituem um dos bens mais preciosos da humanidade, a Igreja Católica oferece sua ajuda sustentando os que permanecem fiéis, iluminando os indecisos e ajudando os que estão impedidos.
 
A Conferência de Aparecida assinalou que a promoção da família é uma das prioridades na missão evangelizadora da Igreja na América Latina. Destaca o conceito de que a família deve ser “um dos eixos transversais de toda ação evangelizadora da Igreja”. Temos que deixar de considerar a família como um objetivo da ação pastoral e começar a vê-la como agente da ação evangelizadora da Igreja.
 
A família é um dom cuja vigência enriquece a realidade do continente. E mais: “a família é o valor mais querido por nossos povos”.
 
Como não alegrar-se ao descobrir que a Boa Nova de Jesus tem uma concreção particular na família! Os bispos latino-americanos falam da ‘Boa-Nova da família’. A família é “um dos tesouros mais importantes dos povos latino-americanos e caribenhos”.
 
O Documento de Aparecida ressaltou que a família, respondendo a seu ser e à sua missão, é um poderoso instrumento de transformação social e eclesiástica.
 
O valor do sacramento do matrimônio entre um homem e uma mulher está na base da família. A união entre um homem e uma mulher é sinal do amor de Deus pela humanidade e da entrega de Cristo por sua esposa, a Igreja.
 
A origem da realidade familiar que está na mesma Trindade. “A família é imagem de Deus que em seu mistério mais íntimo não é uma solidão, mas uma família”, Pai, Filho e Espírito Santo. “Na comunhão de amor das Três Pessoas divinas, nossas famílias têm sua origem, seu modelo perfeito, sua motivação mais bela e seu último destino”.
 
O Documento de Aparecida faz uma chamada de atenção contundente sobre a defesa pública dos valores mais íntimos da família, conclamando de modo enérgico os legisladores, governantes e profissionais da saúde a defende-la e protegê-la dos crimes que são cometidos contra ela.
 
As Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, edição 2008-2010, especificam as ações concretas para a nossa realidade brasileira.
 
A família é lugar e escola de comunhão, pequena Igreja doméstica e primeiro local para a iniciação cristã das crianças.
 
É preciso ver a beleza do amor humano vivido como dom sincero de si para o bem do outro. A família deve ser reconhecida e vivida não somente como lugar de sacrifício, mas de realização humana.
 
Os pais são os primeiros catequistas. A vivência da espiritualidade conjugal e familiar se dá pela oração em família, na participação dominical da missa da família inteira e na dedicação aos serviços pastorais da comunidade.
 
Transformações profundas afetaram o jeito de ser família, sua compreensão e valorização. Existe a imposição de uma mentalidade anti-vida. Diminuem os nascimentos e as vocações. A sociedade brasileira envelhece rapidamente. A violência elimina de modo especial e em maior número, os jovens.
 
Faz-se necessária uma profunda e séria preparação ao matrimônio.
 
Casais em segunda-união e seus filhos sejam acolhidos, acompanhados e incentivados a participar da vida da Igreja.
 
E preciso cobrar políticas públicas em prol da família, de modo especial, deve-se tomar iniciativas de solidariedade em relação a pessoas, famílias e grupos atingidos pela miséria, fome e tantas formas de sofrimento.
 
Especial carinho devem receber as famílias marcadas pela violência, o alcoolismo, o machismo, o desemprego e principalmente as drogas, as balas perdidas, os assassinatos e os grupos de extermínio.
 
É de suma importância a presença do homem, do pai e sua missão na família, como também o direito que os filhos possuem de ter a presença do pai em casa.
 
A Igreja no Brasil olha com renovada esperança a realidade da família. Primeira escola das virtudes humanas, sociais e cristãs, ela é como laboratório do amor, portal da fé, lugar privilegiado para despertar, viver e fazer crescer as vocações e os carismas para a Igreja. A família é um dos pilares da primeira evangelização e da transmissão contínua da fé cristã em nossa terra brasileira.
 
A família é uma força de sustentação, uma instituição fundamental. Fortalecer a família é obter uma sociedade mais justa, humana e cristã.
 
A Semana da Família que está acontecendo em todo o Brasil tem o objetivo de defender os valores da família e sustentá-la contra os ataques que ela sofre.
 
Peço à Sagrada Família de Nazaré que abençoe as famílias e nos ajude no propósito de defendê-las e apoiá-las com todos meios que temos à nossa disposição.
 
Dom Mauro Montagnoli
Bispo Diocesano de Ilhéus