ESTAREI CONVOSCO TODOS OS DIAS

ESTAREI CONVOSCO TODOS OS DIAS

 

Vamos celebrar a festa da Ascensão do Senhor Jesus. Ele foi elevado aos céus por entre aclamações. O Pai o associou definitivamente à sua vida, ao seu poder sobre as pessoas e sobre o mundo. Ele está sentado à direita do Pai.
 
Com Ele, por Ele e n’Ele, agradecemos a Deus pela elevação de todas as pessoas e do universo. São Leão Magno escreve: “A ascensão do Cristo é a nossa ascensão; já que o Corpo é convidado a elevar-se até a glória em que o precedeu a cabeça, vamos cantar nossa alegria, expandir em ação de graças todo o nosso júbilo. Hoje, não apenas conquistamos o paraíso, mas, no Cristo, penetramos no mais alto céu”.
Jesus Cristo foi elevado aos céus, mas continua sempre presente em nosso meio. Uma presença sacramental. Estará sempre conosco, até o fim dos tempos (cf. Mt 28,30).
Nós, na força do seu Espírito somos enviados para a missão, começando da Galileia.
 
Jesus confia aos discípulos uma missão que garante a continuidade de seu programa libertador: “Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19). O envio missionário dirige-se a todos os povos, não apenas a Israel, como em Mt 10,5-15. Após ter conhecido plenamente a Jesus e feito a experiência do encontro com ele na fé, os discípulos sentem-se impelidos a ensinar, ministério antes reservado ao seu Mestre.
 
Os discípulos devem congregar os povos e torná-los seguidores de Jesus, ensinando-os a observar os seus mandamentos, suas palavras e ações misericordiosas e solidárias. A ressurreição de Jesus tem um significado universal, que possibilita abrir o horizonte da comunidade. O batismo significa entrar na vida nova, numa nova relação de comunhão com o Pai através do Filho e o Espírito Santo.
 
Jesus assegura a sua presença no meio dos discípulos. “Estarei convosco todos os dias, até ofim do mundo” (Mt 28,20). A presença do Senhor, como o Emanuel, o Deus conosco (cf. Mt 1,23), fortalece os seus seguidores para que permaneçam no caminho trilhado por ele até chegar à glória do Pai. Cristo permanece com os discípulos e discípulas, guiando-os e protegendo-os até a realização plena do Reino.
 
Deus oferece a salvação a todos os povos, chamando os discípulos a serem instrumentos de comunicação da Boa Nova de Jesus.
 
A ascensão assinala o coroamento da missão salvífica de Jesus, realizada mediante a vida, morte e ressurreição. Por isso, a ascensão, a exaltação de Jesus é um apelo para seguir o seu caminho com fidelidade, anunciando sua mensagem de libertação.
As palavras de Jesus e sua presença viva, que estará sempre em nosso meio, nos colocam a caminho e nos incentivam a sermos fieis à missão. Elas nos impelem a sair de nós mesmos para abrir-nos a um novo horizonte, que possibilita a todos os seres humanos a alegria de sentirem-se filhos de Deus e irmãos entre si.
 
O Ressuscitado nos confia o anúncio da Boa Nova da salvação, libertando-nos da estagnação para nos empenhar na promoção da vida. Toda a comunidade recebe a ordem de fazer discípulos, batizando-os e ensinando-os a observar os ensinamentos deixados por Jesus. Da comunhão de amor, pelo batismo, deve surgir uma humanidade nova, alicerçada na filiação divina e na fraternidade.
 
Diz o Papa Bento XVI: “Uma vez que todo o Povo de Deus é um povo enviado, a missão de anunciar a Palavra de Deus é dever de todos os discípulos de Jesus Cristo, em consequência do seu batismo. Nenhuma pessoa que crê em Cristo pode sentir-se alheia a esta responsabilidade que deriva do fato de ela pertencer sacramentalmente ao Corpo de Cristo. Esta consciência deve ser despertada em cada família, paróquia, comunidade, associação e movimento eclesial. Portanto, toda a Igreja, enquanto mistério de comunhão, é missionária, e cada um no seu próprio estado de vida, é chamado a dar uma contribuição incisiva para o anúncio cristão”.(Exort. Apost. Verbum Domini, 94)
 
Nesta semana de oração pela unidade das Igrejas cristãs, invoquemos o Espírito de Deus para que habite em nós e seja nosso sustento na missão que recebemos do próprio Ressuscitado.
 
Dom Mauro Montagnoli
Bispo diocesano de Ilhéus