Palavra de Conforto

Palavra de Conforto

Oração de um rei

De Davi. Bendito seja o Senhor, meu rochedo, que adestra minhas mãos para o combate, meus dedos para a guerra; meu benfeitor e meu refúgio, minha cidadela e meu libertador, meu escudo e meu asilo, que submete a mim os povos. Que é o homem, Senhor, para cuidardes dele, que é o filho do homem para que vos ocupeis dele? O homem é semelhante ao sopro da brisa, seus dias são como a sombra que passa. Inclinai, Senhor, os vossos céus e descei, tocai as montanhas para que se abrasem, fulminai o raio e dispersai-os, lançai vossas setas e afugentai-os. Estendei do alto a vossa mão, tirai-me do caudal, das mãos do estrangeiro, cuja boca só diz mentiras e cuja mão só faz juramentos falsos. Ó Deus, cantar-vos-ei um cântico novo, louvar-vos-ei com a harpa de dez cordas. O Senhor eleva os humildes, mas abate os ímpios até a terra. Cantai ao Senhor um cântico de gratidão, cantai ao nosso Deus com a harpa. A ele que cobre os céus de nuvens, que faz cair a chuva à terra; a ele que faz crescer a relva nas montanhas, e germinar plantas úteis para o homem. Que dá sustento aos rebanhos, aos filhotes dos corvos que por ele clamam.  Não é o vigor do cavalo que lhe agrada, nem ele se compraz nos jarretes do corredor. Agradam ao Senhor somente os que o temem, e confiam em sua misericórdia.

Sl.143e146